quinta-feira, 21 de outubro de 2010

TRAVA-LÍNGUAS

Como no fundo a vida não é feita só de encantos, amores e sabores, mas também de alguma boa disposição, vai uma brincadeira para os "papás" ajudarem os "seus meninos" a falar corretamente.
* Uma mafagafa tinha cinco mafagafinhos,
quando a mafagafa guifava,
guifavam os mafagafinhos!
* Na messe que enlourece,
estremece a quermesse.
O Sol, celestial girassol, esmorece...
* Debaixo da pipa,
estava uma pita...
A pipa pinga e a pita pia!
* Tu que me enganas,
eu que te entendo...
Tu é que te enganas,
que não entendes,
que eu te entendo,
que tu me enganas!
* Fui ao mar, colher cordões...
Vim do mar, cordões colhi!
Qualquer uma delas deve ser bisada até sair com a dicção perfeita!

terça-feira, 20 de julho de 2010

A felicidade existe?

* Sim, a felicidade existe sem quaisquer margens para dúvidas! É preciso irmos ao encontro dela...Certo é também que, nos tempos presentes, ela anda afastada da nossa sociedade. As pessoas andam infelizes, irritadiças, sem qualquer previsão de melhorias.
* É verdade que muitas das vezes as pessoas queriam "emprego" e não "trabalho"; no entanto (e até que me provem o contrário) hoje não é assim. O desemprego cresce dia a dia, os nossos filhos ficam sujeitos a um trabalho por dois anos e depois...desemprego! Claro que ficam desmoralizados, diria mesmo combalidos...
* A miséria começa a vir ao de cima, aliás já transbordou! Eles começam a pensar se valeu a pena os pais terem gastos "pequenas fortunas" em material escolar para ficarem "ao alto", com a agravante de os pobres dos pais já não saberem o que fazer, pois eles próprios se sentem inseguros.
* Sinceramente não vejo o motivo de se terem acabado com os "empregos para toda a vida". Se um funcionário, um operário ou um trabalhador corresponde inteiramente às expectivas, por que não garantir-lhe a fonte de subsistência?
* Nas sociedades que por - dá cá aquela palha - abrem "falências" gostaria de ver os administradores, os gerentes a passarem pelas mesmas dificuldades; de certeza que estas diminuiriam em grande número.
* Que sociedade esta que não estima, não respeita todos aqueles que a sustentam-na...Quando a torneira europeia se fechar para o nosso pais, é ver quem vem tomar conta de nós...
* Os meus ideais, nesta altura, levam-me a proclamar em alta voz "VOLTA SALAZAR, ESTÁS PERDOADO!" Esse, pelo menos, deixou os cofres do Banco de Portugal cheios de ouro, para os governantes (ditos de progressistas) o terem esbanjado até ao último milésimo de centavo! 
* CRISE, chamem-lhe o que quizerem...são as altas esferas da nossa sociedade que a provocam. Dela resulta a miséria, a necessidade e por acréscimo - os mais débeis - provocam o caos.
* Se  temos um euro no bolso, por que gastar dois? Só porque o vizinho do lado tem cinco euros no bolso, eu quero ter dez? Não, se PORTUGAL não se sustenta sozinho, alguém o tem de vir sustentar...(é o princípio básico da vida de qualquer animal).
* A infelicidade arrasta a tristeza, a solidão e - em casos extremos - o suicídio!
* Que mãe, que pai terá coragem de dizer ao filho - hoje não temos pão, não temos nada...
* Para todos os que fizerem o favor de me lerem, que sirva de meditação!



Escrito em Gondomar, aos 20.Julho.2010, por texasselvagem.

terça-feira, 29 de junho de 2010

PALAVRAS OCAS E SEM SENTIDO!













"Tem minha casa o brazão,
de entre todos o mais nobre,
receber sem distinção,
tanto o rico como o pobre"

* Este deveria ser, na pura verdade,  o epíteto para este nosso moribundo país!
* Infelizmente, não é assim; pois o pobre é escurraçado, ficando cada vez mais pobre;
* ao invés, o rico fica cada vez mais rico (dinheiro atrai dinheiro).
* Mas, ainda se os ricos ajudassem os mais necessitados, teríamos um país que visaria a oportunidade de todos sem destrinças (embora diferentes)!
* Não! As benesses deste meu (?) país continuam a ser para os governantes, para os seus "boys" e respectivas secretárias...O pobre vegeta, procurando as migalhas que os ricos esbanjam, pois o que eles querem são grandes banquetes com três ou quatro pratos variados e à descrição, pagos pelo dinheiro roubado aos contribuintes (DEVÍAMOS SER TODOS, MAS INFELIZMENTE SÃO SEMPRE OS MESMOS).
* Caviar, sapateiras, lagostas...são o vulgar na alimentação dos ricos!...
* Uma códea de broa, duas batatas cozinhas já  é um bom petisco para os pobres; pois se são pobres que não sejam esquisitos e agradeçan a ALÁ TODO PODEROSO aquele manjar.
* Enfim, continuamos com mais do mesmo...até que haja nova revolução em sentido inverso...Se democracia é isto? Então, meus senhores, obrigado, mas prefiro voltar ao antes; pois nessa altura os ricos precisavam dos pobres para se manterem ricos; agora gozam a riqueza a seu belo prazer e...coitados dos que precisam que além de vénias rastejantes ainda terão de lamber as botas. 

Escrito em Gondomar, aos 2010.Junho.29, por texasselvagem 

terça-feira, 22 de junho de 2010

EU QUERIA...!



















* A vida faz-se de amores e desamores,
* De encantos e desencantos,
* De sabores e amarguras...
* Eu queria viver numa sociedade onde, de amanhã, ao acordar ouvisse o chilreio das aves; onde as andorinhas pudessem esvoaçar sobre a minha cabeça; onde o "bicho-homem" fose interligado entre si.
* Eu queria um mundo feliz, sem fome, sem guerras, sem corrução, sem compadrios e onde as crianças pudessem brincar sem medo do "papão" que está por detrás de qualquer porta.
* Eu queria sonhar com uma sociedade perfeita, sem diferenças, onde todos fôssemos iguais.
* Eu queria viajar livremente sem receio de ser assaltado na primeira esquina e sem que os meus filhos corressem o perigo de serem raptados e violados!
* Mas , todos  estes meus desejos se esfumam, quando ao acordar, verifico que continuo a viver (melhor a vegetar) numa sociedade que cada vez menos se interessa por quem a sustem.
* Sim, porque a sociedade é sustentada por todos aqueles que diariamente dão o melhor de si próprios (às vezes, até um pouco mais) com o seu suor, o seu trabalho; enfim, todo o seu esforço.
* Para quê? A esperança de vida vai aumentando, certo? Mas a debilidade do ser humano também se vai debilitando!
* Para quê ilusões no futuro? O dia de ontem já passou (bom, mau, já não interessa...acabou). O dia de amanhã é futuro (atingi-lo-emos?), viva-se o dia de hoje, que devia ser vivido com alegria e felicidade, mas de facto, assim não o é...pois os sacrifícios presentes aumentam e leva-nos a pensar se valerá todo este sacrifício?
* Que responda quem souber, ou a quem servir a "carapuça"!


Escrito em Gondomar, aos 2010.Junho.22 por texasselvagem.