domingo, 31 de julho de 2011

TEATRO NACIONAL SÃO JOÃO - PORTO, A MINHA TERRA NATAL!





* O "TEATRO NACIONAL SÃO JOÃO" (TNSJ) localiza-se na Praça da Batalha, freguesia da Sé, na cidade, concelho e distrito do Porto, bem no seu centro histórico.
* Originalmente foi denominado por "Real Teatro de São João", tendo a sua primitiva edificação sido erguida no ano de 1794 por determinação de Francisco de Almada e Mendonça (*), com projeto do arquiteto italiano Vicente Mazzoneschi, que havia sido cenógrafo do Teatro de São Carlos em Lisboa. Foi inaugurado com a comédia "A Vivandeira" a 13 de Maio de 1798, com o intuito de assinalar o aniversário do princípe Dom João (o futuro Rei Dom João VI), motivo este por que, nos primeiros tempos, ainda lhe deram o nome de "TEATRO DO PRINCIPE".
* A estrutura interior do  original Real Teatro de São João era em tudo semelhante à do Teatro de São Carlos  e, a sua composição próxima dos teatros do tipo italiano que, à época, se tinham estabelecido como regra de sucesso assegurado.
* Porém, no dia 11 de Abril de 1908 um violento incêndio destruiu completamente o edifício.
* Sem se conformar com a perda, logo uma comissão se constituiu para a sua reconstrução, que tece início em 1911, com projeto de Marques da Silva (**). Foi inaugurado a 07 de Março de 1920 e, no ano de 1992, foi adquirido pelo Estado português.
* Hoje, o edifício totalmente reconstruido é um dos principais edificíos da cidade e local de realização dos principais epetáculos culturais, nomeadamente o festival PoNTI - Porto Natal Teatro Internacional, organizado bienalmente.
* Assim, o edifício tal como o conhecemos, de aspeto robusto mas sem estilo definido, é composto por uma imponente frontaria guarnecida por quatro colunas jónicas, entre as quais se abrem três janelas de arco pleno e outras tantas portas.
* Internamente, a decoração da sala de espetáculos e principais salões ficou a cargo dos pintores Acácio Lino (***) e José de Brito (****) e dos escultores Henrique Moreira (*****), Diogo de Macedo (******) e Sousa Caldas (*******), sendo estes dois últimos responsáveis pelas quatro figuras  alegóricas colocadas no friso de entablamento e que representam a BONDADE, a DOR, o ÓDIO e o AMOR..

Compilado em Gondomar, por "texasselvagem"
NOTAS DO AUTOR:
(*) - FRANCISCO DE ALMADA E MENDONÇA, nasceu em Lisboa a 30 (?) de Fevereiro de 1757, tendo falecido no Porto em 18 de Agosto de 1804, bastante pobre, tendo sido sepultado  na Igreja da Misericórdia. No ano de 1839 foi trasladado para o Cemitério do Prado do Repouso a expensas da Câmara Municipal do Porto, que também lhe construiu um mausoléu com o seu busto da autoria de Soares dos Reis. Foi desembargador, corregedor e provedor da comarca do Porto, responsável por importantes obras púbvlicas dos finais dos séculos XVIII e início do XIX. É, frequentemente, confundido com o seu pai, João de Almada e Melo.
(**) - José MARQUES DA SILVA, arquiteto, nascido na cidade do Porto em 18 de Outubro de 1869 e falecido com setenta e sete anos na mesma cidade em 06 de Junho de 1947. Nasceu no número 113 da Rua Costa Cabral e desencarnou na sua moradia da Praça Marquês de Pombal.
(***) - ACÁCIO LINO (de Magalhães), nasceu na freguesia de Travanca, concelho de Amarante em 25 de Fevereiro de 1878 e faleceu na cidade do Porto em 18 de Abril de 1956.
(****) - JOSÉ DE BRITO, nasceu na freguesia de Santa Marta de Portuzelo, concelho de Viana do Castelo em 18 de Fevereiro de 1856 e faleceu na cidade do Porto com 91 anos no ano de 1946.
(*****) - HENRIQUE MOREIRA (de Araújo), nasceu na freguesia de Avintes, concelho de Vila Nova de Gaia no ano de 1890, tendo falecido no mesmo lugar no ano de 1979, com oitenta e nove anos de idade.
(******) - DIOGO (Cândido de) MACEDO, que nasceu em Vila Nova de Gaia em 22 de Novembro de 1889 e faleceu em Lisboa com sessenta e nove anos em 19 de Fevereiro de 1959.
(*******) - (José Fernandes de) SOUSA CALDAS, que igualmente nasceu em Vila Nova de Gaia em 18 de Março de 1894 e falecido com setenta e um anos, na mesma cidade, no ano de 1965.  
  

sexta-feira, 29 de julho de 2011

HOSPITAL DE SANTO ANTÓNIO - PORTO, A MINHA CIDADE NATAL!





* O "HOSPITAL GERAL DE SANTO ANTÓNIO", localiza-se na cidade do Porto. É um hospital geral, central e universitário, sendo responsável pelo ensino do Mestrado Integrado em Medicina do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) da Universidade do Porto. Apesar de instalado num edifício de grande valor histórico e arquitetónico, o Hospital de Santo António é um dos mais modernos e equipados hospitais portugueses sendo uma referência de qualidade na prestação de cuidados de saude.
* O edifício do Hospital é o maior do estilo neoclássico inglês construido fora do Reino Unido.
* O seu projeto inicial contava com vinte mil e seiscentas (20600) portas e janelas e cento e sessenta (160)  salas, o que originou os comentários críticos de que seria mais apropriado para um palácio do que para um hospital.
* Construido entre os anos de 1779 e 1824, o "Hospital Geral de Santo António" deveria substituir o antigo Hospital da Santa Casa da Misericórdia, sito na Rua das Flores. O problema da construção do hospital é levantado pela Mesa da Misericórdia em 1766/1767, mas a escolha do novo local revelou-se uma tarefa complicada. Assim, e depois de alguma hesitação, optou-se pelos terrenos juntos à Cordoaria, cuja planta foi então enviada ao arquiteto inglês John Carr (*) para que este concebesse o projeto - o que aconteceu em 1769 - tendo a Misericórdia pago quinhentas (500) libras pelo trabalho.
* Iniciada a sua construção em 15 de Julho de 1779, o edifício atual veio substituir o antigo Hospital de Dom Lopo na Rua das Flores (onde ainda hoje funciona a sede da Santa Casa). O projeto inicial de John Carr contemplava um edifício quadrado de quatro fachadas, mas a Misericórdia alterou o projeto que tomou, então, a forma de "U".  Devido ao terreno pantanoso escolhido para a construção, tiveram de ser construidos alicerces fundos e largos, o que atrasou em muito a conclusão da obra.
* A fachada principal tem 177 (cento e setenta sete) metros de largura e cinco corpos distintos compostos por arcos plenos, redondos, colunas dóricas e vários frontôes triangulares.
* O Hospital de Santo António reflete o gosto neopaladiano e neoclássico que viria a desempenhar um papel de grande significado no desenvolvimento da arquitetura civil portuense, opondo-se ao barroco de Nicolau Nasoni que caraterizou a cidade e o norte do país, no século precedente. Desta forma, o Porto soube tirar partido da presença da colónia inglesa, fomentando um gosto que conferiu um pendor erudito à renovação arquitetónica da cidade neste período.
* No ano de 1993, para dar resposta às novas necessidades da instituição, iniciou-se a construção de uma nova e moderna ala do hospital, no local onde deveria ter sido construida inicialmente a quarta fachada.
* No ano de 1919, Óscar Moreno (**) criou a primeira Consulta de Urologia e Veneralogia do Hospital de Santo António e, no ano de 1924 fundou no mesmo Hospital o primeiro Serviço Nacional de Urologia, inicialmente com seis camas.
* Também foi neste Hospital, que no ano de 1960, se instalou o primeiro Serviço Nacional de Cirurgia Plástica.
* O Serviço de Urgências do Hospital de Santo António foi certificado no presente ano (2011) com a ISO 9001, sendo o único serviço de urgências do país com esta qualificação - o que reflete a qualidade dos cuidados de saude prestados no Hospital.

Compilado em Gondomar, por "texasselvagem"

NOTAS DO AUTOR:
(*) JOHN CARR, arquiteto inglês neoclássico, nascido em 1723 em Wakefield e falecido em 1807, em Inglaterra.
(**) ÓSCAR MORENO, médico especialista e pedagogo nascido na freguesia da Vitória da cidade do Porto, no ano de 1878 e falecido na mesma freguesia aos 92 anos, no ano de 1971.  

quinta-feira, 28 de julho de 2011

TEATRO RIVOLI - PORTO, A MINHA CIDADE NATAL!






* O "TEATRO RIVOLI" denominado oficialmente RIVOLI TEATRO MUNICIPAL, é uma sala de espetáculos localizada na cidade do Porto, concretamente no ângulo da Praça Dom João Primeiro e Rua Doutor Magalhães Lemos.
* No ano de 1913 foi inaugurado o então chamado "Teatro Nacional".
* Nos anos seguintes, mudanças no centro urbano obrigaram a repensar e modernizar o imóvel, e assim, no ano de 1923, aparecia o "Teatro Rivoli", remodelado, adaptado ao cinema e com programação de ópera, dança, teatro e concertos. O projeto arquitetónico é da responsabilidade do Arquiteto e Engenheiro Júlio Brito (*).
* Na década de setenta, a imagem do Teatro sofreu um revés, provocado por má situação financeira. Começou-se a degradar, com equipamento obsoleto, sem programação regular ou público próprio. Nessa altura a Câmara Municipal do Porto decidiu comprar a estrutura, de forma a devolvê-la à cidade e aos seus habitantes.
* No ano de 1992 o teatro fechou para uma total remodelação com projeto do arquiteto Pedro Ramalho (**). A área existente de seis mil metros quadrados foi ampliada para mais de onze mil, criando-se um Auditório Secundário, um Café-concerto, uma Sala de Ensaios e um Foyer de Artistas, assim como espaços para os Serviços Administrativos e os Serviços Técnicos.
* Posto isto, no mês de Outubro de 1997 o Rivoli Teatro Municipal reabriu as suas portas ao público.
* Em Julho de 2006, a Câmara do Porto anunciou a decisão de entregar a gestão financeira e cultural do espaço a entidades privadas.
* Em Outubro do mesmo ano, cerca de trinta pessoas - na sua maioria elementos do "Teatro Plástico" - barricam-se no interior do teatro, em protesto pela sua privatização, manifestação essa que ficou conhecida por "Rivolição".
* Ainda no mesmo ano (2006), mas no mês de Dezembro, a maioria no executivo, em reunião extraordinária privada, decidiu conceder a gestão do teatro ao produtor e encenador Filipe La Féria por um período de quatro anos com início em 01 de Maio de 2007. Seguiram-se duas providências cautelares que visavam anular o acordo, uma delas apresentada por outro concorrente. O Ministério Público considerou que a concessão do Rivoli tinha sido irregular.
* Atualmente o Rivoli é gerido por uma empresa constituida por Filipe La Féria - a "Todos ao Palco" - que paga à Câmara do Porto 5% das receitas de bilheteira.
* Sob a nova gestão realizaram-se os seguintes espetáculos:
a) - "Jesus Cristo Superstar" (com 150 mil espetadores);
b) - "Musica no Coração" (50 mil esperadores);
c) - "Um Violino no Telhado";
d) - "Piaf" (5 mil espetadores);
e) - "A gaiola das loucas" e,
f) - "Annie".
* Em Outubro de 2010, verifica-se uma situação bastante preocupante na gestão da empresa "Todos ao Palco" de Filipe La Féria com  salários em atraso assim como uma falta de programação. Não são apresentados espetáculos na sala grande do teatro desde Julho (há um ano) e fala-se na possibilidade de outra companhia apresentar o  próximo espetáculo. Significa isto uma quebra do contrato pela falta de programação no teatro, que não cumpre qualquer dinamização da baixa portuense. A situação é de tal ordem gravosa que existem nesta empresa cerca de cinquenta trabalhadores - entre atores e técnicos - sem receber há vários mesese ainda inúmeros fornecedores à espera de pagamento por serviços prestados ou materiais fornecidos.

Compilado em Gondomar, por "texasselvagem".

NOTAS DO AUTOR:
(*) JÚLIO (José de) BRITO, nasceu na cidade de Paris, em França aos 30 dias de Março de 1896 e faleceu na cidade do Porto, aos 26 de Março de 1965 (vésperas de completar 69 anos de idade).
(**) PEDRO (Cândido Almeida de Eça) RAMALHO, nasceu em Caminha (Alto Minho) no ano de 1937. É também conhecido pelos seus desenhos de mobiliário.    

terça-feira, 26 de julho de 2011

CINE-TEATRO BATALHA! PORTO, A MINHA CIDADE NATAL.





* O "CINEMA BATALHA" é uma sala de espetáculos localizada na Praça da Batalha, freguesia de Santo Ildefonso, do concelho e distrito do Porto.
* No local onde se encontra implantado, funcionou anteriormente, e desde o ano de 1908, a sala de projeção de cinema "SALÃO HIGH LIFE". No ano de 1947 foi transformada, pelo arquiteto Artur Andrade (*), no Cinema Batalha.
* Foi inaugurado em 03 de Junho de 1947, sendo constituido por dois auditórios, um com capacidade para 950 (novecentos e cinquenta) lugares sentados - 346 na plateia, 222 na tribuna e 382 no balcão - e outro para 135 (cento e trinta cinco) pessoas. Tem ainda dois bares e um restaurante com esplanada.
* Atualmente o edifício é propriedade da empresa "Neves & Pascaud".
* Depois de seis anos fechado, voltou a abrir ao público no mês de Maio de 2006, por arrendamento do "Comércio Vivo" a uma parceria da Câmara Municipal do Porto e Associação de Comerciantes com diversas valências: bar, restaurante, sala de espetáculos com 935 (novecentos e trinta cinco) lugares e uma sala "bébé" com pouco mais de 100 (cem) cadeiras.
* O "Comércio Vivo" foi criado para gerir os cinco milhões de euros disponibilizados pelo grupo Amorim para compensar os comerciantes pela inclusão de um shopping no Plano de Pormenor das Antas.
* Em 31 de Dezembro de 2010, o Gabinete "Comércio Vivo" entregou as chaves aos proprietários, no último dia do contrato de gestão.
* A precisar de uma intervenção profunda, o espaço está fechado e sem qualquer destino previsto.

NOTA DO AUTOR: (*) ARTUR (Vieira  de) ANDRADE foi um arquiteto português que nasceu na Rua  Antero de Quental, freguesia de Cedofeita a 14 de Março de 1913, tendo morrido no dia 09 de Novembro de 2005,  no número 815 da Rua Hintze Ribeiro, freguesia de Leça da Palmeira do concelho matosinhense. Ficou conhecido por ser um homem livre, determinado e comprensivo. 

Compilado em Gondomar por "texasselvagem"
  

domingo, 24 de julho de 2011

CAPELA DOS ALFAIATES - PORTO, A MINHA TERRA NATAL





* A "CAPELA DOS ALFAIATES" é uma capela localizada na freguesia da Sé, na cidade do Porto.
* Considerada monumento nacional, tem como principal interesse o fato de constituir a marcação, no Norte de Portugal, da transição do estilo arquitetónico tardo-gótico para as novas formulações maneiristas de inspiração flamenga.
* SÃO BOM HOMEM e NOSSA SENHORA DE AGOSTO foram os padroeiros e protetores da Confraria dos Alfaiates e a imagem da primeira era, no início do século XVI, venerada no primeiro andar de uma casa junto à Sé, cujo piso térreo servia de celeiro ao cabido.
* No ano de 1554, iniciou-se a construção de uma nova capela frente à fachada principal da Sé do Porto, em edifício cedido à Confraria pelo bispo Dom Rodrigo Pinheiro. Onze anos depois, só as paredes tinham sido levantadas e, com o empenho do prelado, o mestre-pedreiro Manuel Luís contratou com a Irmandade a conclusão do templo.
* No ano de 1853, a capela teve obras de beneficiação, promovidas pela Associação dos Alfaiates. Foi considerada monumento nacional no ano de 1927, tendo, em 1935 e devido às obras de demolição programadas para a abertura do Terreiro da Sé (ex-Largo Dom Afonso Henriques), sido expropriada pela Câmara Municipal do Porto.
*N ano de 1953, foi redificada na sua arual implantação, no Largo Ator Dias, entre as Tuas do Sol e de São Luís, sendo que pela mesma época foram restaurados, pelo pintor Abel de Moura, os painéis da Epístola, os quais representam a ANUNCIAÇÃO, a ADORAÇÃO DOS REIS MAGOS, a VISITA DE SANTA ISABEL, a NATIVIDADE, o MENINO JESUS entre os Doutores e a Fuga para o  Egito.
* A visitação é diária, no período da tarde.
* A capela de planta retangular, abre para o exterior por um portal ladeado por duas colunas corintías caneladas assentes em pedestrais, sendo o portal rematado por um  nicho com decoração flamenga, desenhado por Manuel Luís, em que se abriga uma imagem de barro de Nossa Senhora de Agosto.
* No interior do templo, iluminado pela grande janela rasgada na fachada, a abóboda elevada sobre o espaço quadrado da nave é de cruzaria tardo-gótica, mostrando já motivos ornamentais maneiristas.
* Um arco-cruzeiro de volta-redonda, assente em pilastras jónicas, separa a nave da capela-mor, sendo esta coberta por uma pequena abóbada de canhão, com dois tramos formados por caixotões de granito que arrancam de mísulas clássicas.

Compilado em Gondomar, por "texasselvagem".      

IGREJA DE SANTO ILDEFONSO - PORTO, A MINHA CIDADE NATAL





* A "Igreja de Santo Ildefonso" está localizada na Praça da Batalha, freguesia de Santo Ildefonso, no centro da cidade do Porto.
* A igreja foi reconstruida a partir do ano de 1730, por se encontrar em ruínas a primeira igreja, tendo ficado concluida no ano de 1739, sendo dedicada a Santo Ildefonso de Toledo.
* A fechada é composta por duas torres sineiras com dentilhões nas cornijas, rematadas em cada face por esferas e frontôes de fantasia. Por cima do entablamento ergue-se o nicho do padroeiro. Guarnecem as paredes azulejos de Jorge Colaço (1932) (*), com cenas da vida de Santo Ildefonso e alegorias da Eucaristia.
* A nave é de tipo poligonal em estilo proto-barroco, com teto em madeira e estuques ornamentais repetidos nas paredes. Os altares laterais são obras neo-clássicas e os colaterais são de talha rococó. O retábulo em talha barroca é rococó da segunda metade do século XVIII.

NOTA DO AUTOR: (*) Nasceu no Consulado de Tânger em Marrocos, onde seu pai era diplomata, tendo falecido em Caxias, com 74 anos, em 23 de Agosto den 1942. Foi um pintor português.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

ANTIGA, MUY NOBRE, INVICTA E SEMPRE LEAL CIDADE DO PORTO





CÃMARA MUNICIPAL DO PORTO

* O atual  edifício da "Câmara Municipal do Porto", foi projetado pelo Arquiteto Correia da Silva (António) e começou a ser construido no ano de 1920.
* O projeto surgiu na sequência do plano de expansão do cento cívico elaborado pelo arquiteto inglês Barry Parker (*), aprovado em 1916. A concretização deste plano levou à expansão para norte da Praça da Liberdade (antigo Passeio das Cardosas), abraindo a Avenida dos Aliados (antiga Avenida das Nações Aliadas) e a Praça do General Humberto Delgado (ex-Praça do Município).
* Apesar de ter  sido iniciado em 1920, as obras do edifício dos paços do concelho sofreram inúmeras interrupções, tendo sido introduzidas alterações ao projeto inicial, pelo Arquiteto Carlos Ramos (**). Os serviços camarários só se instalaram no novo edifício no ano de 1957 (por coincidência ano do nascimento do autor).
* O edifício é constituido por seis pisos, uma cave e dois pátios interiores. A torre central, com setenta (70) metros de altura, possui um relógio de carrilhão, acessível por uma escada interior de cento e oitenta (180) degraus. Os interiores, de mármore e granito, são ricamente decorados.
A fachada de granito - retirado no início do século XX das pedreiras de São Gens e de Fafe - é decorada com uma dúzia de esculturas, da autoria de José de Sousa Caldas e Henrique Moreira (***) representado as várias atividades ligadas desde sempre ao Porto, tais como a viticultura, a indústria ou a navegação.



NOTAS: 
(*) BARRY PARKER: arquiteto e urbanista inglês, nascido em Cherterfield em 1867, faleceu em 1947 e popularizou-se o movimento "Arts and Crafts", junto com Raymond Unwin. Deixou trabalhos seus tanto em Portugal, como no Brasil.
(**) CARLOS RAMOS (CARLOS João Chambers RAMOS), arquiteto, urbanista e pedagogo, nasceu na cidade do Porto em 15 de Janeiro de 1897 e faleceu na mesma cidade no ano de 1969, com 72 anos de idade.
(***) HENRIQUE MOREIRA (HENRIQUE de Araújo MOREIRA), escultor, nascido na freguesia de Avintes, concelho de Vila Nova de Gaia em 1890, onde faleceu no ano de 1979, com 89 anos de idade.