quinta-feira, 25 de agosto de 2011

ANTIGUIDADES SOBRE RODAS - CITROEN MÉHARI!



* O "CITROEN MEHARI" foi um modelo de automóvel produzido pelo fabricante "Citroen", entre os anos de 1968 e 1988 (vinte anos). Teve origem na "SEAB", uma sociedade especializada na moldagem de plástico.
* Tendo por base a plataforma do anterior 2 cv, a carroçaria em plástico assenta  sobre um chassis tubular e resulta num automóvel simpres (e assás) divertido.
* No ano de 1978, surge uma nova versão, que sofre profundas alterações a nível de mecânica e da carroçaria.  Um ano mais tarde é apresentada uma versão 4x4, que surprende pelas qualidades de todo-o-terreno, chegando a ser a viatura médica que garantiu a assistência do famoso "Rali Paris-Dakar" no ano de 1980.

Gondomar, texasselvagem, em 24.Agosto.2011.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

ILHA DA BOEGA!

* A "ILHA DA BOEGA" é uma ilha portuguesa que se situa em pleno rio Minho, entre as freguesias de Loivo e Gondarém, concelho de Vila Nova de Cerveira e distrito de Viana do Castelo.
* É uma pequena ilha  com cerca de mil e quatrocentos metros de comprimento por quatrocentos  metros de largura, resultante da acumulação dos sedimentos arrastados pelo rio, e sua posterior cobertura por vegetação herbácea. A ilha é ainda orlada por uma linha de árvores (amieiros, salgueiros e acácias), estando o seu interior forrado por gramíneas, utilizadas para a pastagem.

Gondomar, por "texasselvagem" aos 22 de Agosto de 2011.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

FORTE DA ÍNSUA!



* O "FORTE DA ÍNSUA" localiza-se na freguesia de Moledo, concelho de Caminha, distrito de Viana do Castelo. Ergue-se na Ínsua de Santo Isidro, no sul da foz do rio Minho, limite norte do litoral, a cerca de duzentos metros (200) da costa.
* Esta pequena ilha foi primitivamente utilizada como local de culto. Em época cristã, nela se erguia uma pequena ermida sob a invocação de Nossa Senhora da Ínsua. Posteriormente, sob o reinado de João I de Portugal (1385-1433), franciscanos ds Galiza ergueram um mosteiro, por volta dos anos de 1388 ou 1392.
* Mais tarde, o rei Dom Manuel I (1495-1521), de passagem, em peregrinação a Santiago de Compostela, teria reformado e ampliado essa defesa, em 1512. O mesmo foi providenciado por Dom Filipe I (1580-1598) aquando da dinastia filipina; porém não chegaram aos nossos dias vestígios dessas alegadas estruturas militares.
* Em região fronteiriça estratégica para o acesso a Caminha, a atual estrutura deve-se ao contexto da Guerra da Restauração da Independência Portuguesa, durante o reinado de João IV de Portugal (1640-1656), entre os anos de 1649 e 1652, por deterninação de Dom Diogo de Lima.
* Reparada e reforçada nos séculos seguintes, veio a conhecer o abandono até que, no ano de 1940, passou para a responsabilidade do Ministério das Finanças. Atualmente em condições precárias de conservação, registou a perda dos madeiramentos dos telhados, das telhas, dos azulejos seiscentistas, das pinturas e das imagens da capela. O restante pode ser visitado pelo público, sendo a travessia até à ínsua efetuada por embarcações locais.
* O forte apresenta planta no formato de um polígono quadrangular com baluartes nos vértices. Um revelim protege o portão das  armas. Em torno do terrapleno - ao abrigo das muralhas - encontram-se os depósitos e quarteis da tropa. No centro encontram-se as edificações de serviço:
- Casa de Comando,
- Quartel da Tropa,
- Cozinha,
- Paiol e
- Capela.
* Um poço de água potável abastecia a guarnição, composta por um Governador (comandante) e doze praças, revezados semanalmente. Esse poço - ainda existente - é notável por se situar no mar, sendo um dos três únicos existentes em todo o mundo.

Gondomar, por "texasselvagem" em 20.Agosto.2011.    

sábado, 20 de agosto de 2011

CASINO AFIFENSE!





* O "CASINO AFIFENSE" é uma instituição que se localiza na freguesia de Afife, concelho e distrito de Viana do Castelo.
* A Associação Casino Afifense nasceu da fusão da "SOCIEDADE RECREATIVA AFIFENSE" com o "CLUBE AFIFENSE", sendo que a primeira havia sido constituida no ano de 1885 por Jerónimo Enes Meira, António de Azevedo Ramos Paz e Domingos Afonso da Silva, e o segundo nasceu no ano de 1899 pelas mãos do Doutor Luís Inocêncio Ramos Pereira, Egas da Silva Moreira e Jaime Ramos Moreira. No entanto, e para todos os efeitos, a data oficial da fundação é a mais antiga, seja 15 de Fevereiro de 1885.
* A constituição da "Associação Casino Afifense" foi realizada a 13 de Julho de 1930 por Simão Pinto Moreira, Bonifácio Gonçalves Meira, Roberto Lucas de Freitas, Augusto Alves Nogueira e Graciliano Azevedo Bandeira.
* A Associação está vocacionada para:

- o fomento da Educação, Cultura e Recreio dos sócios e suas famílias;
- a defesa da freguesia de agressões de qualquer natureza;
- o ensaio e encenação de peças teatrais;
- a realização de exposições diversas (por exemplo, artesanato);
- o apoio a iniciativas culturais e lúdicas e,
- a divulgação das potencialidades de Afife, das suas tradições, trajes, danças, cantares e beleza  natural.

* Atualmente é considerada Instituição de Utilidade Pública, tendo sido condecorada com o grau de Cavaleiro da Ordem de Benemerência.

Gondomar, "texasselvagem" em 19 de Agosto de 2011. 

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

ADEGA VILA MEÃ!





* (Com o necessário agradecimento ao seu proprietário, vai uma pequena resenha histórica deste estabelecimento de restauração, que tem uma designação que me toca no fundo do coração).
* A "ADEGA VILA MEÃ" é um restaurante típico de cozinha inteiramente portuguesa que se situa na Rua dos Caldeireiros (junto aos Clérigos), na freguesia da Vitória da cidade do Porto.
* Este estabelecimento de grandes tradições portuenses, é gerido pelo senhor Armando Sousa Santos desde o ano de 1976. Ao longo do tempo, o restaurante foi sendo sujeito a várias remodelações, mas o que nunca mudou foi a designação das porções - dose (quatro pessoas), meia dose (duas pessoas) e quarto de dose (uma pessoa). 
* São especialidades da casa os pratos infra:
- Bacalhau escachado,
- Cabrito assado,
- Cozido à portuguesa,
- Filetes de polvo,
- Pataniscas com arroz de feijão,
- Polvo assado,
- Posta mirandesa,
- Fêveras de salpicão,
- Sarrabulho à Ponte de Lima,
- Toucinho do céu e,
- Vitela assada.

Compilado em Gondomar por "texasselvagem"

FONTE: Roteiro gastronómico da cidade do Porto.

* Texto redigido de acordo com as novas normas do acordo ortográfico para a Língua Portuguesa.

QUINTA DE VILA MEÃ!

* (Como preito de gratidão pela minha terra de coração e de matrimónio, segue mais um rascunho. Não confundir o texto com uma outra quinta "casa de Vila Meã" que se situa na freguesia de Capela, do concelho de Penafiel.)
* A "QUINTA DE VILA MEÃ" está situada próximo da Rotunda de Campanhã, nesta freguesia do concelho do Porto (acesso para a Via de Cintura Interna  do Porto - VCI). Esta quinta foi construida e habitada pela família Vieira entre os séculos XIV e XIX.
* No ano de 1886 foi vendida a José Joaquim Pereira de Lima. Nessa altura a quinta dividia-se em "Casal de Baixo" e "Casal de Cima" que, no seu conjunto, englobavam:
1. - Casa Nobre,
2. - Capela (dedicada a Nossa Senhora dos Anjos),
3. - Jardins,
4. -Pomares,
5. -Lago,
6. -Casas para os caseiros e,
7. -Mais de 25 (vinte e cinco propriedades (que iam dos lugares de Godim ao Fojo, incluindo Lameira, Corujeira, Monte Escoural e Bonjóia) - alguns destes lugares ainda predominam, nos nossos dias, com estas designações, vide Bonjóia, Godim, Corujeira e Lameira (São Roque da).
* Por volta do ano de 1920 a "Quinta de Vila Meã" foi vendida à família Mitra, razão pela qual é também conhecida por "Quinta da Mitra", sendo que a Rotunda de acesso à VCI é denominada, popularmente, por "Rotunda da Mitra".
* Aliás, grande parte dos terrenos onde dantes era a quinta são hoje ocupados pela VCI (via de cintura interna).
* Na estrada para Azevedo (de Campanhã) pode-se ainda ver - em deplorável estado de conservação - a casa nobre e a capela, que são ainda pertença dos herdeiros daquela família.

Compilado em Gondomar, por "texasselvagem"

NOTA DO AUTOR: Texto redigido ao abrigo do atual Acordo Ortográfico para a Língua Portuguesa.

FONTES DE PESQUISA: "Wikipédia livre" e enciclopédia sobre "Grandes Quintas situadas na freguesia de Campanhã e no concelho do Porto".

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

EDIFÍCIO HELIANTIA!

* O "EDIFÍCIO HELIANTIA" (que foi chamado por "CLÍNICA SANATORIAL HELIANTIA") é uma obra de referência da arquitetura moderna portuguesa. Localizado na freguesia de Valadares, do concelho de Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, a edificação foi projetada pelo arquiteto Francisco de Oliveira Ferreira (vide texto anterior sobre o "Sanatório Marítimo do Norte). 
* Direcionado para o mar e edificado no extremo do Pinhal de Francelos, o edifício que foi construído para ser uma clínica helioterápica (propriedade do ilustre Doutor Joaquim Gomes Ferreira Alves), é também uma síntese do trabalho de Francisco Oliveira onde o arquiteto combina as suas opções mais inteligentes e sensíveis.
* Depois de alguns anos de abandono (após a morte do seu proprietário) e após haver deixado a sua função hospitalar, o Edifício Heliântia foi restaurado pelo Arquiteto Manuel Magalhães e voltou a abrir a 14 de Outubro de 1991 como instituição de ensino (Espaço Atlântico e IESF).
* O renovado edifício é atualmente o local de uma das melhores escolas de negócios do país (passe-se a publicidade), o INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES FINANCEIROS E FISCAIS (IESF).

Compilado em Gondomar, por "texasselvagem"

* Texto redigido ao abrigo do novo acordo ortográfico para a Língua Portuguesa.

FONTE: Com a ajuda da "wikipédia, livre", uma  publicação do acervo do autor editada pelo Município de Vila Nova de Gaia, sobre o patrimómio edificado na freguesia de Valadares.

SANATÓRIO MARÍTIMO DO NORTE!





* O "SANATÓRIO MARÍTIMO DO NORTE" foi um antigo hospital situado na freguesia de Valadares, concelho de Vila Nova de Gaia e distrito do Porto.
* Foi projetado pelo arquiteto Francisco de Oliveira Ferreira (a), sendo fundado por Joaquim Gomes Ferreira Alves e inaugurado no mês de Agosto de 1917, estando vocacionado para o tratamento de diversas doenças, nomeadamente da tuberculose, por aproveitamento dos efeitos benéficos da água do mar e do sol.
* Este sanatório acolheu milhares de doentes até ao ano de 1978, altura em que, por doação efetuada pelo filho do fundador, Doutor Álvaro Ferreira Alves, passou para a posse do Estado Português, doação essa, condicionada à integração do pessoal que ali prestava serviço, nos quadros da função pública e à utilização do espaço para instalação de equipamentos de saúde. A partir daquela data deixou de funcionar, sendo posteriormente cedido à Associação São João de Deus, ligada ao Presidente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses e para que lá fosse instalado um equipamento de apoio a enfermeiros aposentados - o que nunca foi feito - limitando-se o seu uso a servir para residência para o Presidente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses e sua família, o que motivou diversas ações judiciais que culminaram com a cessação da cedência.
* O edifício foi-se deteriorando, situação que só foi travada com a decisão governamental de ali instalar o CENTRO DE REABILITAÇÃO FÍSICA DO NORTE. O lançamento da "primeira pedra" desta nova fase teve lugar em 26 de Junho de 2010, encontrando-se as obras em ritmo de conclusão.
* O edifício, por sua vez, está em vias de classificação pelo IGESPAR.

Compilado em Gondomar, por "texasselvagem"

NOTAS: (a) - FRANCISCO DE OLIVEIRA FERREIRA, arquiteto nascido na cidade do Porto em 25 de Novembro de 1884 e falecido na mesma cidade com setenta e quatro (74) anos, em 30 de Dezembro de 1957. Foi discípulo do também arquiteto JOSÉ MARQUES DA SILVA tendo-se diplomado em Arquitetura Civil pela antiga Academia Portuense de Belas-Artes (atual Escola Superior das Belas-Artes do Porto). Tendo também sido discípulo  de JOSÉ TEIXEIRA LOPES, com ele colaborou no início da sua carreira profissional.  Além do edifício aqui referido, são de sua autoria, os seguintes:
1. -.Monumento aos Heróis da Guerra Peninsular  em Lisboa,
2. -Clínica Heliântia em Valadares, Vila Nova de Gaia,
3. -Café "A Brasileira", no Porto,
4. -Edifício da Câmara Municipal de Gaia e,
5. -Edifício de habitação em Vila Nova de Gaia "Casal Minhoto".

b) - O texto foi redigido ao abrigo do novo acordo ortográfico para a Língua Portuguesa.

FONTES: Com a preciosa ajuda da "wikipédia livre", publicação do acervo do autor editada pelo Município de Vila Nova de Gaia sobre o património edificado na freguesia de Valadares.

sábado, 6 de agosto de 2011

RELÍQUIAS SOBRE RODAS - BEDFORD, SÉRIE TJ





* A "BEDFORD TJ" é uma camioneta que foi produzida pela Vauxhall, empresa da propriedade da Bedford.
* Começou a ser fabricada no ano de 1958, sendo uma versão atualizada da gama "TD". O "TJ" manteve-se disponível no Reino Unido até ao ano de 1975, sendo que a partir daí só era fabricado para exportação, prolongando-se o fabrico até 1986, ano em que a série acabou definitivamente.
* A série "TJ" (a da imagem) não tinha grande venda no Reino Unido; no entanto algumas empresas utilizaram-na na sua frota, como por exenplo, a "British Telecom". 
* Uma empresa indiana, "Hindustan Motors" também as produziu nas duas versões "TJ" e "TD" e numa outra maior (J5/6), a partir do ano de 1968, chegando neste país a serem algumas transformadas em pequenos autocarros urbanos.
* Já no Brasil, a versão "TJ" era destinada totalmente à sua exportação. Na Austrália eram representadas pela empresa local "Holden"
* Embora sem grandes alterações a nível do aspeto exterior foram comercializados, em diferentes países, as versões "J0", "J1", "J2", "J3", "J4", "J5" e "J6", que tinham mais a haver com a tonelagem do chassis que variava entre as três e as oito toneladas  e o combustível utilizado, primeiramente, a gasolina e depois a diesel.

Compilado em Gondomar, por "texasselvagem"

NOTAS: Texto extraído de um livreto, em versão inglesa, sobre a marca do veículo.
               O autor compromete-se a retirar a foto se o proprietário da viatura (Senhor Magalhães, da freguesia de Ataide, Vila Meã), o contatar para esse efeito.
               O texto foi redigido segundo as normas do novo Acordo Ortográfico para a Língua Portuguesa.

terça-feira, 2 de agosto de 2011

ANTIGUIDADES SOBRE RODAS - FORD ANGLIA!




* O "FORD ANGLIA" é um carro fabricado pela "Ford" que foi produzido no Reino Unido entre os anos de 1940 a 1967. Antes de ser substituido pelo "Ford Escort", quase um milhão e seiscentas mil unidades foram produzidas.
* O carro tornou-se famoso, nos nossos dias, após aparecer voando no livro "Harry Potter e a Câmara Secreta", da escritora J. K. Rowling, onde fora inspirado no carro de seu amigo.

Compilado por "texasselvagem", em Gondomar

NOTA DO AUTOR: Este compromete-se a retirar as duas fotos que encimam o presente texto se o proprietário do veículo o contatar para esse efeito; encontrando-se o mesmo estacionado, à data, junto à "Ala Nun'Alavres de Gondomar", no recinto da feira semanal.

ANTIGUIDADES SOBRE RODAS - AUSTIN OF ENGLAND






* "AUSTIN MOTOR COMPANY" foi uma empresa britânica com  sede em Longbridge, área industrial de Birmingham, e que produzia automóveis e motocicicletas. Fundiu-se com a Morris no ano de 1952 e, foi posteriormente absorvida pela British Leyland Motor  Corporation em função de dificuldades financeiras, já  então existentes na indústria automobilística.
* Nos nossos dias, ambas as marcas (Austin e Morris) são inexistentes.

Compilado em Gondomar, por "texasselvagem"

* N. B.: O autor compromete-se a retirar as duas fotos que encimam o presente texto, caso seja contatado pelo seu proprietário da viatura que se encontrava estacionada em Miragaia, junto ao edifício da Alfândega.

RELIQUIAS ROLANTES - VAUXHALL, SÉRIE 12






* A "VAUXHALL" é uma filial da General Motors para países onde a direção fica do lado direito do carro, como a Inglaterra e o Japão.
* A "Vauxhall Motors" foi fundada no ano de 1857 por Alexander Wilson, sendo a sede em Luton.
* As duas fotos que encimam este texto referem-se à série 12 do modelo europeu.
* Basicamente fabrica os mesmos automóveis que a "Opel" da Alemanha, que é a principal base da GM na Europa.

Compilado por "texasselvagem", em Gondomar.
* N. B.: O autor compromete-se a retirar as fotos se para isso fôr contatado pelo proprietário do veículo em questão, que por acaso, publicitava, junto à zona ribeirinha de Vila Nova de Gaia, um estabelecimento de restauração.

CITROEN DYANE...





* "CITROEN DYANE" foi um veículo produzido entre os anos de 1967 e 1983 pela fábrica Citroën. Foi projetado para ser o sucessor do Citroën 2 CV, mas não resistiu ao mito criado em volta do seu antecessor.
* Com um total de 1 443 583 exemplares comercializados, este modelo visava a mesma plataforma que o 2CV; no entanto teve a sua produção interrompida no ano de 1983, seis anos antes do fim do 2CV.
* O tipo de carroçaria era de cinco portas (uma delas traseira).
* A fábrica portuguesa desta marca, localizada no concelho de Mangualde, distrito de Viseu, produziu naquele mesmo período 27 660 automóveis deste modelo. Para o mercado português foram fabricadas duas versões exclusivas deste modelo: a DYANE DYANÍSSIMA e a DYANE NAZARÉ.
* Embora sejam veículos já considerados clássicos, ainda existem um bom número deles em circulação.

Compilação efetuada em Gondomar, por "texasselvagem", com base na "wikipédia, livre".
A fotografia foi tirada pelo autor na Avenida Gustavo Eiffell, junto à Marginal do Rio Douro, com a devida vénia ao proprietário do veículo.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

CADEIA DA RELAÇÃO - PORTO, A MINHA CIDADE NATAL!





* A "CADEIA DA RELAÇÃO" é um edifício histórico localizado na cidade, concelho e distrito do Porto, no Campo Mártires da Pátria, junto ao Jardim Pinheiro Chagas (da Cordoaria).
* Tendo sido criada em 27 de Julho de 1582, o Tribunal da Relação do Porto, por falta de instalações próprias, começou a funcionar na "Antiga Casa da Câmara", instalada na hoje denominada Rua de São Sebastião, no edifício que, por esse motivo, passou a ser conhecido por "PAÇO DA RELAÇON". Poucos anos depois, o Tribunal transferiu-se para o Palácio dos Condes de Miranda - onde permnaneceu até ao ano de 1608 - no desaparecido Largo do Corpo da Guarda, que ficava ao cimo da rua que ainda subsiste com esta denominação. Os desembargadores eram obrigados a usar barba comprida e a não fazer visitas.
* A Relação manteve-se em atividade, sem sede própria, durante mais de vinte anos. Com efeito, foi só no ano de 1603 que Filipe II ordenou que se construisse uma casa para receber a Relação e a Cadeia; visto que esta sofria do mesmo mal - a falta de instalações.
* Primeiramente, andou pela "Albergaria dos Palmeiros" (ano de 1461), que ficava perto da atual Rua de São João; aparece depois referenciada (no ano de 1490), num casebre entre as Ruas Chã das Eiras e de Santo António do Penedo, numa artéria que ainda até há bem pouco tempo se chamava Travessa da Cadeia; depois instalou-se (ano de 1504) num casa junto à Sé e mais tarde nos baixos da Casa da Câmara.
* A ordem de Filipe II, no entanto, só começou a ser cumprida no mês de Julho de 1605, quando sob a direção do corregedor Manuel Sequeira Novais, se deu início às obras no Campo do Olival (atuais Campos Mártires da Pátria e Jardim da Cordoaria). Os trabalhos duraram três anos e foram pagos - em grande parte - com dinheiros provenientes das remissões dos degregos para África. Isto é, quem era condenado a degredo para a 'costa de África' podia pagar uma determinada quantia, resgatando a pena que cumpria cá.
* O edifício, considerado enorme, custou tanto dinheiro que durante todo o tempo da sua construção não foram feitas mais obras na cidade. No entanto, deve ter sido mal construido porque no dia 01 de Abril de 1752 (sábado de Aleluia), ruiu completamente e a Relação regressou às instalações da Câmara Municipal.
* Uma nova casa para a sede da Relação e da Cadeia começou a ser construida sobre os escombros da anterior, no ano de 1765, por iniciativa do regedor das Justiças e governador das Armas do Porto, João de Almada e Melo, segundo uma planta elaborada para o efeito pelo engenheiro e arquiteto Eugénio dos Santos (*) que foi um dos intervenientes na reconstrução da Lisboa pombalina.
* Foi, no entanto, seguida pelo oficial de engenharia Francisco Pereira da Cunha, por morte de Eugénio dos Santos. A obra custou 200 contos de réis, durou trinta anos, pois só ficou concluida no ano de 1796. Albergou a sede do Tribunal da Relação e servoi de cadeia até aos nossos dias.
* É um dos edifícios de referência na história do Porto. As enxovias tinham nomes de santos: Santo António, Sant'Ana, para homens; Santa Teresa para mulheres; e Santa Rita para menores. A prisão odicina estava sob a proteção do Senhor de Matosinhos e as prisões de castigo tinham por patrono São Vitor. Havia ainda os salões (do Carmo e de  São José) para homens e mulheres. Diferenciavam-se das celas por terem o chão de madeira, mas pagava-se para ficar neles - 1$500 réis.
* Na sala do tribunal havia una capela porque as Ordenações do Reino determinavam que "o governador acolherá um sacerdote, que em todos os dias pela manhã, diga missa na Casa da Relação, no oratório ou lugar que para isso se ordenar..." Os presos ouviam a missa das grades das prisões e corredores que davam para o saguão. Mas como não havia, mesmo assim, capacidade para tanta gente, a missa era num Domingo para os detidos de determinadas celas e no Domingo seguinte para os restantes.
* A algumas das celas andam ligados nomes famosos.
* No número oito dos chamados quartos de Malta (que eram catorze) passaram, a título de exemplo, os Mártires da Pátria, o duque da Terceira (António José de Sousa Manuel de Menezes Severim de Noronha) lugar-tenente da rainha Dona Maria II nas províncias do norte, detido em Outubro de 1846, juntamente com vários generais e oficiais. 
* Camilo Castelo Branco ocupou - no ano de 1860 - o quarto de São João, enquanto Ana Plácido recolhia ao pavilhão das mulheres, acusados, ambos, do crime de adultério.
* Na cela que Camilo havia ocupado, daria entrada mais tarde o célebre banqueiro Roriz. E, no quarto a seguir a este, Urbino de Freitas (**), professor da Faculdade de Medicina, acusado de ter assassinado por envenamento os sobrinhos para ficar senhor da herança que a eles caberia.
* O salteador Zé do Telhado (José Teixeira da Silva), o caudilho miguelista Pita Bezerra e o jornalista político João Chagas (***) também conheceram as celas da velha cadeia.
* No ano de 1961 começa a ser construido o novo estabelecimento prisional do Porto, na freguesia de Custóias do concelho de Matosinhos, com plano do arquiteto Rodrigues Lima (****). No entanto, a estrutura inicial foi abandonada e o edifício que se pretendia modelar, nunca acabou por ser construido. Foi rapidamente ocupado pelos reclusos da Cadeia da Relação, por razões de força maior e conforme determinação superior, em 29 de Abril de 1974 (quatro dias após a revolução).
* Assim o novo Estabelecimento Prisional do Porto, em Custóias, passou a receber irregularmente reclusos preventivos - que deviam aguardar julgamento próximo do local do tribunal, como acontecia na cidade do Porto - tendo sido alargado para aumentar a sua capacidade, substituindo completamente a Cadeia da Relação.
* No ano da revolução (1974), deu-se a ocupação revolucionária do edifício da Cadeia da Relação. Várias famílias e grupos não familiares procuraram aí abrigo e durante largo tempo o edifício sofreu um desgaste inesperado, degradando-se rapidamente.
* O Instituto Português do Património Arquitetónico iniciou os trabalhos do restauro do edifício no ano de 1988, com projeto do arquiteto Humberto Vieira, mas nenhum programa de utilização tinha, ao tempo, sido estabelecido superiormente.
* No ano de 1997 foi criado o Centro Português de Fotografia e estabelecido, pelo Ministro da Cultura, que teria sede no edifício da antiga Cadeia da Relação. As primeiras exposições inauguraram-se Dezembro de 1997, tendo o rés-de-chão funcionado  como espaço de exposição até Dezembro de 2000. Nesta data o edufício voltou a encerrar para se terminarem as obras de renovação e adequação do edifício às suas novas funções. O projeto foi confiado aos arquitetos Eduardo Souto Moura e Humberto Vieira.
* A Cadeia e Tribinal da Relação do,Porto reabriu no mês de Outubro de 2001, albergando agora todos os serviços do Centro Português de Fotografia (CPF).

Compilado em Gondomar, por "texasselvagem"

NOTAS DO EDITOR:
(*) EUGÉNIO DOS SANTOS (e Carvalho) nasceu em Aljubarrota no ano de 1711 e faleceu na cidade de Lisboa em 05 de Agosto de 1760. Foi um dos engenheiros militares, e o arquiteto responsável pela reconstrução da baixa pombalina após o terramoto de 1755.
(**) (Vicente) URBINO DE FREITAS, nasceu no ano de 1849 e faleceu em 1913 com sessenta e quatro anos de idade.
(***) JOÃO (Pinheiro) CHAGAS, nasceu na cidade do Rio de Janeiro, Brasil em 01 de Setembro de 1863 e faleceu no Estoril (Cascais), com sessenta e um anos de idade em 28 de Maio de 1925, tendo sido o primeiro PRIMEIRO-MINISTRO da Primeira República Portuguesa.
(****) (Raul) RODRIGUES LIMA, arquiteto nascido no ano de 1909 e falecido com setenta anos no ano de 1979.